Plano de classificação

Coleção António CapuchoData de Produção Inicial:1590Data de Produção Final:1804Nível de Descrição:ColecçãoQuantidade de Unidades de Instalação:Quantidade: 1Tipo: CDQuantidade: 1Tipo: GavetaNome do Produtor e História Administrativa/Biográfica:Nome do Produtor: Capucho, António d'OreyHistória Administrativa: António d’Orey Capucho, filho de Maria Teresa de Jesus de Almeida d’Orey e de António Emídio Ferreira de Mesquita da Silva Capucho, nasceu em Lisboa, em 1945-01-03. Com pouco mais de três anos veio definitivamente viver para S. João do Estoril, onde nascera seu pai. Praticou vários desportos como atleta federado: ténis no Clube de Ténis do Estoril, atletismo no Grupo Sportivo de Carcavelos, voleibol no Grupo Dramático e Sportivo de Cascais, badmington na Associação Desportiva de Oeiras, basquetebol no Grupo Desportivo de Paço de Arcos e futebol na Associação Desportiva da Costa do Sol. Desempenhou funções na direção do Clube de Ténis do Estoril e da Associação Desportiva da Costa do Sol, da qual foi um dos fundadores e sócio n.º 2, integrando, ainda, os corpos sociais da Associação dos Bombeiros dos Estoris. É, também, sócio honorário do Clube Naval de Cascais e do Clube de Ténis do Estoril. Enquanto finalista do Liceu de Oeiras e aluno do curso superior de Organização e Gestão de Empresas, tornou-se dirigente estudantil e associativo, envolvendo-se nas eleições para a Assembleia Nacional em 1969 e 1973, na quais apoiou, respetivamente, a Comissão Eleitoral de Unidade Democrática (CEUD) e a Comissão Democrática Eleitoral (CDE). Filiado no Partido Social Democrata - então designado Partido Popular Democrático -, exerceu vários cargos na Secção de Cascais, nomeadamente enquanto Presidente da Comissão Política e Presidente da Assembleia Concelhia. Em 1975 foi designado por Francisco Sá Carneiro para Secretário geral adjunto do partido, passando, em 1977, a desempenhar as funções de Diretor geral. Já em 1978 seria eleito Secretário geral, tarefa em que voltou a ser investido em 1980 e 1998. Em 1987 foi eleito Vice-Presidente da Comissão Politica Nacional dos social-democratas, compromisso que reassumiria em 1996 e 1999. Deputado à Assembleia da República em todas as eleições legislativas de 1980 a 1999, foi, ainda, líder parlamentar do PSD entre 1984 e 1987 e de 1999 a 2001. Ocupou, também, os cargos de Secretário de Estado Adjunto do Primeiro Ministro, entre 1981 e 1983, no governo de Francisco Pinto Balsemão; de Ministro da Qualidade de Vida, entre 1983 e 1984, no governo de Mário Soares; e de Ministro dos Assuntos Parlamentares, entre 1987 e 1989, no governo de Aníbal Cavaco Silva. Desempenhou as funções de Conselheiro de Estado entre 2002 e 2004 e de 2009 a 2011. Em 1989 encabeçou a lista do seu partido às eleições para o Parlamento Europeu, vindo a ser reeleito como deputado europeu nas eleições de 1994. No decurso deste mandato foi Coordenador do Grupo Europeu do PSD e Vice-presidente do Parlamento Europeu. A experiência europeia traduzir-se-ia na escrita e publicação dos livros "A União Europeia: O que é e como funciona?", em 1994; "A União Europeia a 15", em 1996; e "De Roma a Amesterdão", em 1997. Tendo já desempenhado as funções de Presidente da Assembleia Municipal de Cascais, de 1983 a 1984, viria a ser eleito Presidente da Câmara Municipal de Cascais em 2001, 2005 e 2009, tendo requerido a suspensão do seu mandato em 2011-02-01. Foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, a Grã-Cruz de Mérito Civil (Espanha), a Ordem de Mérito do Grão-Ducado do Luxemburgo, a Ordem de Mérito da Academia de Letras e Artes e a Medalha de Honra do Município de CascaisNome do Produtor: Capucho, António Emídio Ferreira de Mesquita da SilvaHistória Administrativa: António Emídio Ferreira de Mesquita da Silva Capucho nasceu em 1918-04-29, em S. João do Estoril, onde passou a infância e parte da adolescência. Ainda não tinha vinte anos quando integrou a empresa da família - a Casa Capucho - sedeada na Rua de S. Paulo, em Lisboa. Em 1938 casou com Teresa d’Orey, fixando-se em Lisboa, até voltar a S. João do Estoril, onde criou os seus nove filhos. O fascínio pelo colecionismo começou com os livros antigos e raros. Na sua vasta biblioteca, constituída por milhares de exemplares, destacam-se os temas ligados à história e cultura portuguesa. Nas palavras da Prof. Doutora Luísa Arruda, em "António Capucho: Retrato do homem através da coleção" (Lisboa: Editora Civilização, 2004), «Pode considerar-se António Capucho como um bibliófilo da velha escola. Os seus 30 dossiês manuscritos de fichas sobre bibliografia portuguesa constituem uma importante obra de referência para quem frequenta a sua biblioteca». Chegou um pouco mais tarde o gosto pelas peças de arte, sobretudo a cerâmica em terracota, azulejaria e faiança, que escolhia cuidadosamente sem se deter no seu possível valor comercial. De acordo com Paulo Henriques, em estudo inserido na mesma obra, António Capucho «colecionou de modo caprichoso, tomando como critério primeiro a empatia imediata que estabelecia com os objetos, embora conhecesse o seu valor estético, histórico e comercial». Muitas peças da sua colecção de cerâmica e azulejaria integraram várias exposições, por exemplo, no Museu Nacional de Arte Antiga, no Museu Calouste Gulbenkian, no Museu Nacional do Azulejo ou no Museu das Caldas. Também em Cascais, a Fundação D. Luís I apresentou a exposição "António Capucho: O homem e a coleção", que esteve patente entre 2007-05-18 e 2007-07-07, no Centro Cultural de Cascais. O seu reconhecido interesse pela história do concelho de Cascais ficou, ainda, marcado pelo apoio à investigação nos mais variados domínios, nomeadamente ao nível da cartografia, que tanto apreciava, como o atesta a edição, no "Arquivo de Cascais: Boletim cultural do município", em 1996, do mapa setecentista que adquirira, representando o Estoril, Galiza, S. João do Estoril e Alapraia, antecedido de estudo da autoria de Guilherme Cardoso. Já em 2008 autorizou o depósito digital no Arquivo Histórico Municipal de Cascais de um precioso manuscrito de 1753, relativo à Confraria de Nossa Senhora do Cabo, doando, também, à Rede de Bibliotecas Municipais, "Memória sobre a utilidade e uso medicinal dos banhos do Estoril", espécie rara, datada de 1839. Faleceu em 2008-11-08História Custodial e Arquivística:A coleção foi doada pelo Sr. Dr. António d'Orey Capucho, na sequência de contrato estabelecido com a Câmara Municipal de Cascais, através do AHMCSC, ao abrigo do Programa de Recuperação de Arquivos e Documentos de Interesse Municipal (PRADIM)Âmbito e Conteúdo:A coleção é constituída por 12 documentos, nomeadamente cartografia representando Portugal continental, as regiões autónomas dos Açores e da Madeira e as antigas províncias ultramarinas, assim como a digitalização do Compromisso da Confraria de Nossa Senhora do CaboTradição documental:OriginalSistema de Organização:Critério NuméricoCondições de Reprodução:Constantes do regulamento interno (art. 17.º)Notas:Cota do fundo: H2. A coleção encontra-se acondicionada em 1 gv. e 1 CD.Conteúdo Digital:ImagemCódigo de Referência:PT/CMCSC-AHMCSC/AESP/CAC